Os gastos com a Cloud aumentaram durante a Pandemia.

 

A Pandemia acelerou o processo de digitalização das empresas, assim como a migração e transformação digital dos negócios, já que onde antes a ideia do teletrabalho era rejeitada, passou, efetivamente, a ser uma realidade bem assente em todas as empresas onde fosse possível implementar essa medida, aumentando, consequentemente, as potenciais vulnerabilidades existentes.

2021, e de igual forma 2022, têm-se revelado anos difíceis no âmbito da segurança digital, já que os ciberataques são cada vez mais frequentes e sofisticados. Segundo a ITChannel, em 2021, as organizações portuguesas foram atacadas, em média, 881 vezes por semana. Isto representa um aumento de 81% face a 2020.

Diariamente, mais de 10 mil ficheiros e 100 mil sites maliciosos foram detetados no decorrer do ano de 2021, segundo dados da Check Point Research.

Com a competitividade de mercado a aumentar, assim como a falta de segurança já referida, a Cloud deixou de ser uma opção e tornou-se numa tecnologia imperativa para assegurar os dados das empresas.

Face a estas informações, denota-se que é , cada vez mais, feito um maior investimento em tecnologia Cloud. De facto, de acordo com a IDC- empresa líder mundial na área de market intelligence– , o investimento em infraestrutura Cloud cresceu 8,8% em 2021, face a 2020.

O diretor geral da IDC Portugal explica que “Vemos um crescimento brutal para a Cloud e que foi acelerado com a pandemia”, já que em 2020 o crescimento do investimento na Cloud foi de 29%, para um valor de 312 milhões de euros, enquanto em 2021 o crescimento foi de 25%, ultrapassando os 391 milhões de euros.

Segundo elucida o consultor, estamos numa nova realidade dominada pela cloud, com a passagem de soluções tecnológicas para a nuvem, com a mudança do software para modelos de “as a service” e também o crescimento do IaaS e PaaS, com as organizações a procurarem acesso a capacidade de processamento, storage e desenvolvimento de aplicações as a service.

Para 2022, a IDC prevê que os gastos com infraestrutura Cloud continuem a crescer, aumentando 21,7% face a 2021. Consequentemente, a infraestrutura não Cloud deve diminuir ligeiramente, apresentando uma queda de, aproximadamente, 0,3%.

Os principais líderes de mercado nesta área foram, essencialmente, parceiros da ActiveSys como a Microsoft, a Dell, HPE, Cisco, VMware e IBM.

John Dinsdale, Chief Analyst no Synergy Research Group, prevê que “estas tendências se vão manter nos próximos cinco anos, com um crescimento anual de dois dígitos nas vendas a fornecedores de cloud, compensando um mercado empresarial um pouco estagnado”.

Dados do Synergy Research Group indicam que os gastos mundiais em hardware e software de IT de data center aumentaram 10% em 2020, isto devido ao aumento de 20% de gastos em infraestrutura de Cloud Pública.

O diretor geral da IDC Portugal, destaca a aceleração digital que foi registada com a pandemia de COVID-19, notando que 50% do PIB já é influenciado pelo digital. Mesmo com uma das maiores quebras da história no PIB, o mercado de Tecnologias de Informação continuou a crescer, e em Portugal, onde a quebra do PIB foi maior (chegando a quase 10%), o mercado de TI cresceu quase 2%.

Para que os objetivos da Década Digital da União Europeia estabelecidos pela Comissão Europeia até 2030, sejam alcançados, a proporção de empresas que recorrem a tecnologia Cloud deve aumentar significativamente, de acordo com o relatório ‘The progress towards the EU’s Digital Decade ambition’, produzido pela Deloitte e com o apoio pela Vodafone.

Um dos fatores que não permite o atingimento desta meta é a falta de especialistas em TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação).

Este relatório mostra que, em Portugal, apenas 21% das empresas utilizam serviços de computação em Cloud, valor que está 54 pontos percentuais abaixo do objetivo de 75%. São várias as vantagens da aplicação destes serviços, como o aumento da segurança dos dados, a contribuição para uma maior eficiência, auxiliar no crescimento da empresa, gerar conhecimento e reduzir custos. Para além disso, um estudo realizado pela Accenture, sublinha a redução de emissão de 59 milhões de toneladas de dióxido de carbono, por ano, permitindo, às empresas aderentes, um aumento das metas do carbono neutro. O estudo ainda indica que existem outras possibilidades ecológicas,  como a redução de resíduos sólidos e a adoção de energia limpa.

Existem casos em que os dados foram comprometidos, quando guardados em tecnologia Cloud. No entanto, importa referir que isto ocorreu em situações como configurações incorretas das tecnologias; uso inadequado das funcionalidades e falta de especialistas na tecnologia o que pode levar a um dimensionamento equivocado das soluções.

Note-se que de acordo com as previsões da IDC, até 2025, 60% das organizações implementarão serviços dedicados de cloud, e 55% das organizações vão migrar os seus sistemas de proteção de dados para um modelo centrado na nuvem, para conseguirem responder a requisitos de desempenho, segurança e conformidade.

A ActiveSys é o parceiro ideal para a implementação de tecnologia Cloud na sua empresa, já que oferece um serviço denominado de Cloud Services, que tem como objetivo apoiar empresas na sua estratégia de transformação e migração para a Cloud.

Não hesite em contactar-nos para saber mais informações.

 

ActiveSys, we activate your business.